Iridologia

  • Wikipédia

A iridologia, iridodiagnose ou irisdiagnose é uma forma de diagnose (na etmologia: conhecer através da íris) na qual a análise de padrões, cores e outras características da íris permite que se conheçam as condições gerais de saúde baseada na suposição de que alterações na íris refletem doenças específicas em órgãos. Os praticantes dessa técnica utilizam-se de "mapas da íris" ou ainda "cartas topográficas" que divide a íris em zonas que estão relacionadas a porções específicas do corpo humano. Com a exceção de doenças que também atingem a íris, como intoxicações por cobre (o anel de Kayser-Fleischer na Doença de Wilson), no entanto, há pouca ou muito pouca pesquisa que comprove o princípio ou a eficácia do método.

A iridologia não faz diagnóstico em hipótese alguma. Para isso, um médico competente realiza exames clínicos e complementares. A iridologia, por sua vez, apenas aponta órgãos fracos, conhecidos como "órgãos de choque" e realiza um trabalho profilático e multidisciplinar.

Sabendo quais os órgãos mais fracos, o iridólogo indica a pessoa para o médico especialista que cuida de determinado problema e ainda para outros profissionais da área da saúde como por exemplo, nutricionistas, fisioterapeutas, naturólogos, dentistas, psicólogos, educadores físicos, entre outros.

Lacunas

As lacunas aparecem na íris como pequenos buracos, covas onde as fibras da íris se separam. Basicamente, quando se observa uma lacuna na íris, pode-se concluir que já existiu ou existe um problema na parte do corpo correspondente a essa lacuna. Através da cor e da profundidade da lacuna consegue-se determinar em que estágio se encontra. O corpo reage a estas lacunas, aumentando a circulação de sangue e linfa no tecido irritado. Quando o sangue e a linfa não consegue chegar ao tecido afetado, os órgãos começam a atrofiar, as lacunas começam a aparecer mais profundas afetando a segunda parte da íris.

Há vários tipos de lacuna:

  • Lacuna Aberta;

  • Lacuna Fechada-encapsulamento de toxinas e material mórbido no tecido;

  • Lacuna Pêra-este é um sinal para tendência de cancro;

  • Lacuna Torpedo-possíveis sinais de tumores, dependendo da cor e profundidade;

  • Lacuna Escada e Lacuna telha de madeira- sinal pré-canceroso;

  • Lacuna Favo de Abelha-sinal de desequilíbrio endócrino. Desenvolvimento de cirrose;

  • Lacuna Aspargo-considerado pelos iridologistas um sinal clássico para cancro;

  • Lacuna Folha- é uma das mais frequentes. Significa um processo genético de predisposição a tumores benignos.

 

Métodos

Iridologistas geralmente usam equipamentos como lanternaslentes de aumentocâmeras ou lâmpadas de fenda para o exame detalhado da íris. Os achados são geralmente comparados a um gráfico que correlaciona zonas específicas da íris com porções específicas do corpo humano. Os gráficos típicos dividem a íris em 80 a 90 zonas e nem sempre relacionam a mesma porção da íris ao mesmo órgão.

De acordo com os iridologistas, detalhes da íris supostamente refletem mudanças específicas nos tecidos dos órgãos. Por exemplo, sinais de "inflamação aguda", "inflamação crônica" e "catarral" corresponderiam a "envolvimento", "manutenção" ou "cura" dos órgãos correspondentes à zona da íris afetada. Outros achados seriam os "anéis de contração" e "klumpenzellen", que indicam outras condições.

Outra corrente da iridologia afirma ser possível identificar deficiências nutricionais e de oligoelementos, que causam predisposição ao aparecimento de doenças e podem ser corrigidas antes que as mesmas se desenvolvam. Afirma-se também ser factível determinar como o indivíduo aprende, se expressa, se modifica e como gera seus relacionamentos, desde a infância, dando a oportunidade de agir sobre distúrbios psicológicos.

História

O hábito de examinar os olhos de uma pessoa para ajudar a avaliar a sua saúde existe pelo menos desde a antiga Grécia. A primeira descrição de princípios da iridologia como homolateralidade é encontrada na Chiromatica Medica, obra publicada em 1665 por Philippus Meyeus (Philip Meyen von Coburg). Trinta anos mais tarde, em 1695, mais um livro surgiu, intitulado "Os olhos e seus sinais", de autoria de Cristian Haertls.

O primeiro uso da palavra Augendiagnostik ("diagnóstico do olho"), é atribuído a Ignatz von Péczely, um médico húngaro do século XIX. A história mais comum sobre como o método foi criado é a de que von Péczely encontrou linhas na íris de um paciente que estava tratando de uma fratura na perna que eram muito semelhantes às de uma coruja cuja pata von Péczely havia quebrado anos antes[4] (no entanto, essa história foi desmascarada como falsa pelo sobrinho do mesmo, August von Péczely, no primeiro congresso internacional de iridologia).

Outros nomes importantes na história da iridologia foram o pastor germânico Felke, que no início do século XX descreveu novos sinais iridológicos, desenvolveu uma forma de homeopatia para doenças específicas e fundou o Instituto Felke[5]; Bernard Jensen[6], um quiroprata norte-americano que popularizou a prática nos Estados Unidos, defendia o uso de alimentos naturais para desintoxicação e dava aulas sobre iridologia.

Escolas de Iridologia 

1) Iridologia Alemã: A Iridologia foi sistematizada na Alemanha há cerca de quatro séculos. O primeiro livro que citou esse sistema foi “Chiromantia Medica” de Phillipus Meyens em Dresden, Alemanha, no ano de 1670.[7] A Escola Alemã de Iridologia preconiza apontar as Constituições Geral e Individual da pessoa. Através delas é possível dizer qual(is) humores - parte líquida do corpo - (sangue, linfa, urina ou enzimas) tem maior dificuldade em eliminar toxinas. Ainda é possível perceber quais são os órgãos de choque, ou órgãos mais fracos, e que tem maior propensão a adoecer.

2) Iridologia Método RayId: Abrange aspectos psíquicos, classifica quanto à introversão e analisa padrões de relacionamento a partir da análise das íris. Foi estipulado por Denny Johnson nos Estados Unidos por volta de 1980 e nasceu da observação e categorização de sinais estruturais e adquiridos.

3) Iridologia Método Jensen: É um método também americano, criado na segunda metade do século XX pelo médico nutrólogo Dr. Bernard Jensen. Nele, a íris além de permitir o conhecimento dos órgãos mais fracos, também é indicativa de métodos terapêuticos adequados para promover saúde e qualidade de vida através de medidas simples como a ergometria e a ingestão de nutrientes pela alimentação.

4) Olhodiagnose Chinesa: Segundo os Clássicos de Medicina Chinesa, a prática de examinar os olhos para apontar quais males estão acometendo o indivíduo é feito há cerca de 5 mil anos. A acupuntura há muito tempo lança mão desse método para agregar dados na anamnese que antecede a prática de tratamento.

No ano de 2009, no Brasil, Priscila Esteves e Maria Olanda Pereira uniram esses conhecimentos chineses com a Iridologia Alemã, propondo assim um sistema de irisdiagnose que mostra a Constituição Individual da pessoa e ainda a parte do organismo que precisa de mais atenção no momento da consulta, a fim de fazer os devidos encaminhamentos às especialidades médicas respectivas e indicar terapias complementares de acordo com recomendações da equipe multidisciplinar.

5) Orla Pupilar Interna: a Orla Pupilar Interna é a parte que contorna a pupila. E segundo o médico inglês, Dr. John Andrews é ela quem revela a força motriz do indivíduo, ou seja, se a pessoa é disposta, se reage bem a tratamentos ou não e ainda se alguma vez esgotou seu tanque de energia vital.

Iridologia e ciência

Poucos pesquisadores investigaram cientificamente os fundamentos da iridologia. Em um estudo publicado na revista Medical Hypotheses, um grupo tentou explicar os parâmetros observados na transparência da íris que distribui luz na ora serrata (borda da retina ótica) postulando a chamada functio ocularis systemica, baseada na qual tentaram desenvolver o método terapêutico terapia de luz trans-iridal, mas não houve nenhuma confirmação independente da teoria ou da terapia. Também tentou-se desenvolver imagens computadorizadas da íris com o objetivo de aprimorar o diagnóstico.

Alguns estudos procuraram analisar a validade da iridologia como método diagnóstico. Em 1979, um grupo de pesquisadores utilizou  diapositivos de 143 pacientes, sendo 95 saudáveis, 24 com doença renal leve e 24 com nefropatia severa, que foram sequencialmente analisados por três iridologistas que separadamente procuraram diagnosticar doença e gravidade. Os diagnósticos foram incorretos na grande maioria dos casos e praticamente não houve concordância entre os iridologistas. Outro estudo com método semelhante, utilizando pacientes saudáveis e portadores de colecistopatia, obteve os mesmos resultados. Em ambos, os iridologistas consentiram em participar do estudo, concordaram com o método e tiveram a possibilidade de excluir as fotografias que considerassem de qualidade insuficiente para avaliação.

Ernst, 2000, analisou a literatura científica disponível até o momento sobre o estudo da iridologia, um total de 77 artigos publicados. Todos os estudos realizados sem controle e vários dos realizados (sem lado cego), portanto de baixa qualidade em termos de metodologia científica, sugeriam que a iridologia seria uma ferramenta diagnóstica válida. Sobre os únicos 4 estudos com metodologia científica correta, concluiu: "Em conclusão, poucos estudos controlados com avaliação cega sobre validade diagnóstica foram publicados. Nenhum encontrou qualquer benefício da iridologia. Como a iridologia tem o potencial de causar dano pessoal e econômico, pacientes e terapeutas deveriam ser desencorajados de utilizá-la."

No entanto, outro levantamento feito posteriormente por Salles,[18] encontrou cerca de 120 trabalhos que citam a Iridologia como ferramenta de diagnose complementar. Para uma análise mais profunda foram considerados 25 artigos de bases científicas indexadas, dos quais 14 apresentam conclusões a favor da Iridologia e 11 se colocam contra, segundo Salles.

Profissionais

                  Bahia                   

Salvador

  • Adriana Borges

Email: adborma@gmail.com

Fone: (71) 99631-2496

                  Ceará                   

Fortaleza

  • Dircilea M.Freitas Gomes

Email dircifreitas@gmail.com

Fone: (85) 99206-0813

Ceará - Outras Cidades

Juazeiro do Norte

  • Maria Goretti Albuquerque

Email: gorettiguerreira@gmail.com

Fone: (88) 99789-3589

            Espírito Santo          

Vila Velha

  • Gabriela Amorim

Email: gabriela.amorim.dare@gmail.com

Fone: (27) 99630-1819

                  Goiás                  

Goiânia

  • Giane Honorato

Email: gianenaturologia@hotmail.com

Fone: (62) 99294-8656

Goiás - Outras Cidades

Gurupi

  • Ângela Cristina Carlotto

Email: angelacristina_2@hotmail.com

Fone: (63) 98427-8868

          

             Mato Grosso           

Cuiabá

  • Marcelo Campos

Email: decampos25@gmail.com

Fone: (65) 99238-0125

             Minas Gerais            

Belo Horizonte

  • Altacir de Almeida Rocha

Email:contato@harmoniaholistica.com.br

Fones: (31) 2520-3875 / (31) 98473-1621

Minas Gerais - Outras Cidades

Coromandel

  • Daniela Cristina Caetano e Silva

Email: danicriscaetano@gmail.com

Fone: (34) 98820-7800

Governador Valadares

  • Harmonia Vital

Email: harmonia.vital@hotmail.com

Fone: (33) 98867-7135

                 Paraná                  

Curitiba

  • Golias Vilalva

Email: golias.vilalva@uol.com.br

Fone:  (41) 99960-1453

  • Dr. Paulo Solano Hanke

Email: paulosolano@ibrin.org

Fone: (41) 99129-6910

            Rio de Janeiro           

Rio de Janeiro

  • Larissa Trindade

Email: larissatrindade.terapeuta@gmail.com

Fone: (21) 97003-3304

Niterói

  • Paulo Novellino Teixeira

Email: txnovellino@gmail.com

Fone: (21) 2610-9581

           Santa Catarina           

Florianópolis

  • André Werlang Garcia

Email: contato@olhodiagnoseintegral.com

Fone: (48) 99961-5473

  • Meire Jorge

Email: mlj00@uol.com.br

Fone: (48) 99966-0956

  • Patricia Fraga

Email: patriciafraga55@hotmail.com

Fone: (48) 99976-5033

Santa Catarina - Outras Cidades

Balneário Camboriú

  • Olmiro Dall'Agnol

Email: olmiro.iridologia@gmail.com

Fone: (47) 99641-0400

Blumenau

  • Daniel Della Valle

Email: devcauci@gmail.com

Fone: (47) 98458-0186

               São Paulo              

São Paulo

  • Adriana Bardibia

Email: adrianabardibia@yahoo.com

Fone: (11) 94173-8946

São Paulo - Outras Cidades

Avaré

  • Fabiana Esperança Rocha de Alvarenga

Emai: terapiairis2@hotmail.com

Fone: (16) 99777-5011

Jales

  • Camila Almeida

Fone: (17) 99769-9349

 

Jundiaí 

  • Bruna Benedet

Email: bb.natu@gmail.com

Fone: (11) 97477-7753

Ribeirão Preto

  • Fabiana E. R. De Alvarenga

Email: terapiairis2@hotmail.com

Fone: (16) 3636-7319 / 99777-5011

Sorocaba

  • Gérson Cunha

Email: gerson_cunha@hotmail.com

Fone: (15) 99634-3762

               Tocantins               

Gurupi

  • Ângela Cristina Carlotto

Email: angelacristina_2@hotmail.com

Fone (63) 98427-8868

    Terapeutas no Exterior    

Alicante -  Espanha

  • Loredana Casola

E-mail: lcasola-cht@outlook.com

Fone: +34 68421-9487

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados - Portal Terapeutas S/A - Todos os Terapeutas reunidos num só lugar

As informações disponibilizadas são de total responsabilidade de seus autores e tem caráter apenas informativo, não podendo, jamais, ser utilizadas em substituição a um diagnóstico médico ou de outro profissional habilitado, eximindo os administradores deste site de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização delas.