Como reduzir a insegurança, a ansiedade e o medo no relacionamento afetivo

Atualizado: Jun 2



Adriana Mantana

Thetahealing - Cromoterapeuta - Cristaloterapeuta - Aromoterapia

Barras de Access - Reiki - Deeksha - Renascedora - Constelação Familiar RQC  - Terapeuta de Integração Quântica do Ser - Radiestesia



Insegurança, ansiedade e medo são sensações que você sente com frequência em sua relação afetiva? Se a resposta foi sim, fique comigo até o final pois tratarei importantes pontos aqui para você refletir e se assim desejar fazer a virada da chave de sua vida afetiva. Ou seja, sair deste padrão de dor constante para uma situação mais confortável e feliz.

Antes de iniciar o texto com o conteúdo propriamente dito, peço que não leve para o lado pessoal o que vou lhe dizer, estou aqui com o único e exclusivo objetivo de contribuir contigo. Sempre falo isto, para evitar qualquer tipo de mal entendido, pois o meu desejo é que eu possa ser um canal de ligação, que possibilitará a você ter uma boa relação, primeiramente com você mesma, para depois conseguir se relacionar com mais leveza com os outros e principalmente com o seu parceiro.


Tudo começou na sua infância quando de alguma forma não se sentiu segura, nem protegida e aprendeu a ter medo. Isto mesmo; o medo não é algo natural, ele é aprendido na infância. É diferente de instinto de sobrevivência, que é natural. Não vou ficar falando aqui sobre a explicação de acordo com a neurociência, pois primeiro o objetivo não é este e segundo o texto ficará muito longo.


Então como eu disse, na infância você adquiriu tudo isto, via constantemente como a sua mãe se relacionava com o seu pai e com outros homens (tios, amigos, primos, pai e irmãos). E lá estava você absorvendo todas estas informações e inserindo de forma inconsciente para o seu sistema límbico (onde moram as suas crenças limitantes).


Portanto se a sua mãe era ciumenta, insegura, ansiosa e medrosa, adivinha quem no futuro replicaria este aprendizado? Acertou se você disse: Eu.


Agora vamos falar do momento atual, sua insegurança não veio do nada, ela tem uma raiz, isto também se aplica em relação a sua ansiedade e ao medo também. Conforme minha percepção noto que as mulheres atuam da seguinte forma:

  • Ignoram uma dor afetiva e deixam o tempo curar tudo (o que de fato não acontece);

  • Declaram que nunca mais vão se relacionar com alguém;

  • Se “conformam” com a insegurança, medo e ansiedade e dizem constantemente para si que o relacionamento afetivo é assim mesmo;

  • Continuam na relação mesmo sofrendo todos os dias com estas sensações desconfortáveis, com a esperança de transformar o seu parceiro naquilo que desejam;

Preferi não citar também os casos de relacionamento abusivo, pois escrevi um texto sobre as mulheres que amam demais. Depois pesquise aqui nesta página/site para ler na integra o conteúdo.

Independentemente do estágio em que você se encontre o importante é saber como está a sua vida afetiva. Eu sugiro fortemente que anote os pontos em que você sente serem os piores em sua vida a dois, o objetivo é ter clareza do que você não gosta para na sequência enfrentar/limpar.


Sei que não é um exercício agradável, pois na imensa maioria dos casos que eu atendo, minhas clientes não querem ver. Mais isto funciona da mesma forma que um machucado físico, primeiro você vê exatamente onde se machucou, enfrenta este fato e depois segue para as providências sejam elas quais forem (limpar, dar ponto, colocar uma medicação e ir fazendo os curativos).


Saiba que não é porque você não está vendo esta ferida que ela não existe. Geralmente a ferida emocional é extremamente danosa.


A insegurança, o medo e a ansiedade em sua vida afetiva têm um preço caro e quem paga é você todos os dias. E o preço é muito alto pois é de sua falta de paz que estou falando. A boa notícia é que para tudo existe saída (acredite eu sei o que estou dizendo).


Saiba que enquanto não for na raiz e retirar o que incomoda, infelizmente estas sensações não sairão de sua vida e você continuará com a sua vida afetiva do jeito que está.


Funciona como um canal quando você vai ao dentista, ele vai colocando o remédio e aos poucos a raiz do dente é morta (resolvendo o problema). Funciona exatamente assim para as suas questões internas, você pode pegar o que vou deixar logo abaixo para praticar, consequentemente se tiver disciplina e foco, vai conseguir matar a raiz do seu problema emocional. Vem comigo, preste atenção e anote os passos que vou deixar aqui para você.


Caso queira ouvir um vídeo no YouTube que falei sobre isto, vou deixar o link aqui. Inclusive criei um programa diário às 20hs (Horário de Brasília) que se chama Mulheres Fortes, nele também abordo questões sobre o assunto deste texto. O nome do vídeo que gravei é CURE O SEU RELACIONAMENTO AFETIVO para assistir CLIQUE AQUI

Se quiser avançar nos exercícios eu criei um curso voltado para Mulheres em vídeo aula com área de bônus, para aumentar a autoestima e o equilíbrio emocional. Neste curso existem exercícios preciosos que são capazes de contribuir muito para resolver seus processos interiores que citei neste texto. São exercícios que eu uso em minha rotina diária, para ver como funciona e quais os temas que são abordados CLIQUE AQUI vale muito a pena o investimento.

Agora se você está em uma situação de dor mais profunda com relação a estas emoções pode entrar em contato, para verificar a possibilidade de agendar uma sessão de Terapia comigo online. Se está nesta situação e deseja dar este passo CLIQUE AQUI

Cuide-se com amor!

Abraços.

0 visualização

EVENTOS

Cursos

Divulgue seu evento

Fique por dentro

 

Receba todas as novidades no seu email

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados - Portal Terapeutas S/A - Todos os Terapeutas reunidos num só lugar

As informações disponibilizadas são de total responsabilidade de seus autores e tem caráter apenas informativo, não podendo, jamais, ser utilizadas em substituição a um diagnóstico médico ou de outro profissional habilitado, eximindo os administradores deste site de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização delas.